Empreender | Um desabafo pra começo de conversa
1
post-template-default,single,single-post,postid-1,single-format-standard,qode-quick-links-1.0,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-theme-ver-11.1,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.1.1,vc_responsive

Um desabafo pra começo de conversa

Um desabafo pra começo de conversa

Publiquei esse texto no facebook dias atrás. Era quase um desabafo. Leia. Talvez você já tenha passado por isso. Pode ser que tenha passado por coisas piores até. Mas pode ser que a gente comece essa relação criando uma identificação entre nós.

Empreender é muito mais que criar um negócio ou desenvolver uma idéia. É um processo de evolução físico, psicológico e mental que culmina em uma grande idéia de negócio.
É um processo gradual e muitas vezes solitário. Em alguns momentos será difícil e frustrante. Em outros, você simplesmente terá vontade de chorar de raiva, olhar para os céus e pensar “por qual motivo Deus está fazendo isso comigo?”.
Mas empreender é também incrível. As pequenas vitórias e evoluções. Ver que outros valorizam e compartilham de suas idéias, dão sugestões, compartilham e participam contigo nessa jornada.
Empreender é complexo.
E você me pergunta: quem é você para falar sobre o assunto?
Eu sou o cara que nasceu empreendedor. O que sempre foi na contramão. O que rasgava o manual do seu primeiro lego e criava construções completamente diferentes da caixa. O que sempre teve na cabeça que nasceu pra fazer algo diferente, e nunca desistiu disso. Que já caiu, já levantou, já caiu milhares de outras vezes. Que por conta de suas quedas já perdeu amigos, parceiros, mulheres, e não ganhou nem 10% do dinheiro que gostaria de ter ganho.
Mas continua. Continua por acreditar que ainda não abriu a porta certa do sucesso. Pois o sucesso é uma evolução de quem somos para quem gostaríamos de ser. É um exercício diário que exige um comprometimento MONSTRO.
Eu sei que o texto é longo. Pode até ser chato. Mas se você leu até aqui, deve ser porque se interessou ao menos um pouco sobre o que eu escrevi.
Só resolvi escrever porque dessa vez eu acho que abri a porta certa. Algumas semanas atrás eu escrevi um texto para mim mesmo chamado “Manifesto para a Felicidade”. Um contrato comigo mesmo, colocando tudo que eu gostaria de alcançar, minhas metas pessoais, e os sacrifícios que eu estaria disponível a fazer por esses objetivos. Dele, nasceu um brainstorm gigantesco comigo mesmo que culminaram na In – Agência Digital. E desde então, esse projeto tem sido meu ar, meu alimento, meu frio e meu calor.
E se você leu até aqui, eu escrevi tudo isso pra dizer que talvez eu nunca tenha sido tão feliz na minha vida. Porque cada tijolo foi colocado ao custo de muito sacrifício. E porque todas essas transformações tiveram um custo altíssimo (e que talvez só eu saiba). De qualquer maneira, eu queria agradecer a você que me ajudou. Que me empurrou para que eu caísse, ou que estendeu a mão para que eu levantasse. Pra você que chorou comigo ou que riu comigo das desgraças. Eu continuo aqui. Empreendendo. Criando. E não vou parar. Porque o destino agora é a felicidade. E certamente, o sucesso me acompanhará.
E a você, que leu até aqui, obrigado. E lembre-se: não existe uma porta certa. Mas existe uma porta certa para cada um de nós.