Empreender | A vida é cíclica
62
post-template-default,single,single-post,postid-62,single-format-standard,qode-quick-links-1.0,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-theme-ver-11.1,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.1.1,vc_responsive

A vida é cíclica

A vida é cíclica

Eu tenho insistido aqui que empreender é consequência de diversas mudanças e fatores internos dentro de nós.

É importante entender que a vida é feita de ciclos. E a cada ciclo, agregamos novas características, novas experiências e novas mudanças a nossas vidas, competências e habilidades. Outras vezes, somos forçados a mudar por fatores externos.

Desde pequenos, grande parte de nós aprende que “em time que está ganhando não se mexe”. Ou seja: você é programado desde pequeno que mudar é ruim. Já parou pra pensar nisso?

Sim, eu sei: mudar é muito complexo, exige muito tempo, paciência, causa muito sofrimento, mas é necessário. É necessário porque novos resultados só virão se fizermos as coisas de maneira diferente.

Estava fazendo uma auto-análise essa semana e observei uma coisa engraçada: as pessoas sempre nos analisam num primeiro encontro. SEMPRE. É comum, em uma conversa com outra pessoa, a seguinte fala acontecer:

– Conversei com o Mário hoje, lembra dele?

– Não, que Mário?

– Você conhece o Mário, um alto, barbudo de óculos que estava na festa da Suzana

– Ah tá, o Mário….

As pessoas sempre nos identificam pela primeira característica que demonstramos a elas. E isso acontece porque fomos programados para sermos imutáveis, como numa linha de produção: acordamos, escovamos os dentes, tomamos banho, tomamos café, trabalhamos, voltamos pra casa, tomamos banho, jantamos e dormimos pra acordar no outro dia. Se algo muda nessa rotina, logo uma crise se instala. Muitos chamam isso de “cair na rotina”. Eu chamo de ficar preso no mesmo ciclo.

Pra pensar: Qual você acha que é a primeira impressão que as pessoas tem de você??

E quando estamos presos no ciclo, fica impossível analisarmos nossos defeitos e nossas qualidades. O que está bom e o que está ruim. Ou até mesmo identificar possíveis futuras crises ou problemas. Ficamos observados em observar apenas o que consta no ciclo,  e não o que está fora dele.

Se você já viu uma roda em movimento, você sabe que ela só fica em pé se estiver em movimento constante.

Essa semana comecei um interessante exercício. Todos os dias, ao final do expediente, eu coloco em uma tabela uma qualidade e um defeito que eu identifiquei em mim mesmo naquele dia. E tomo 10 minutos para pensar nos dois e em como eu poderia “consertar” esses defeitos e maximizar as minhas qualidades. E tem sido um exercício sensacional de auto-conhecimento, que tem me ajudado demais a pensar muito menos nos problemas e muito mais nas soluções.

Até porque, sendo franco com você que me lê, eu já perdi muitos anos da minha vida perdendo o sono por conta das coisas que me angustiavam.

Portanto, comece o fim de semana fazendo algo diferente da sua rotina. A sexta-feira não é o final da semana. É o começo da preparação para a próxima semana, que sem dúvida será melhor que essa.

Um abraço, boa reflexão, e até o próximo texto.